Busca Avançada

Poder 360 :: Temer diz que Forças Armadas vão ‘defender integridade da população’ no RJ

Conectas na Mídia

28/07/2017 forças armadas rafael custódio rio de janeiro segurança pública

Por Gabriel Hirabahasi.

 

O presidente Michel Temer assinou nesta 6ª feira (28.jul.2017) o decreto que autoriza as Forças Armadas a atuarem no combate à criminalidade no Estado do Rio de Janeiro. Em vídeo publicado à tarde, o peemedebista disse que os militares irão “defender a integridade da população, preservar a ordem pública e garantir o funcionamento das instituições“.

 

O presidente disse que tem acompanhado os números da segurança pública no Brasil e orientado os ministros “para tomar as medidas necessárias“. “O agravamento da situação da segurança pública está no centro das nossas preocupações“, afirmou o presidente.

Em entrevista a jornalistas no Rio, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, disse que o objetivo das Forças Armadas é “cortar o fluxo do que for possível do comércio clandestino“.

Raul Jungmann, ministro da Defesa, também falou com a imprensa no Rio. Disse que o governo está “deixando o modelo de intervenção” e trocando “por 1 outro modelo“. “Nosso carro chefe é inteligência. É a inteligência que vai dar informação para que possamos mapear o crime organizado, e não só inibir“, afirmou.

Quando nós [Forças Armadas] nos retirávamos, voltava aquela situação de medo anterior“, declarou.

O ministro disse novamente que não haverá ocupação na cidade, mas sim ações de inteligência. “[As Forças Armadas] Não vao ocupar espaço. Serão força de último recurso. Se for necessário, estarão de prontidão“, disse.
 

“IDEOLOGIA DE GUERRA”, DIZ ONG
 

A ONG Conectas Direitos Humanos divulgou uma nota ao Poder360 nesta 6ª feira (28.jul) às 18h. Disse que o decreto causa “preocupação” e que “esta grave crise não pode ser resolvida através do fortalecimento de uma ideologia de guerra”. Leia a íntegra do documento.

O posicionamento é assinado pelo coordenador de Justiça da ONG, Rafael Custódio. A organização diz que os integrantes das Forças Armadas têm código de disciplina especial, respondem a uma lei penal especial, o Código Penal Militar e são julgados por uma Corte militar. “Todos elementos baseados na lógica de guerra“, diz Custódio.

> Leia o original aqui.

0