Busca Avançada

Questão de saúde

Adotar política de redução de danos no combate às drogas é estratégico para acabar com doenças como hepatite

09/11/2017 drogas hepatite oms organização mundial de saúde redução de danos

A adoção de uma política de redução de danos para lidar com o problema das drogas é essencial para combater as epidemias de hepatite B e C ao redor do mundo. A estratégia é defendida por organizações da sociedade civil que fazem parte da comunidade de hepatites virais - uma comunidade que inclui pessoas vivendo com hepatite viral, médicos, enfermeiros, assistentes sociais, pesquisadores, especialistas em saúde pública e pessoas que usam drogas.

Estima-se que, atualmente, entre as 15,6 milhões de pessoas que atualmente injetam drogas, 52% testaram positivo para anticorpos contra hepatite C e 9% vivem com infecção crônica de hepatite B. Acredita-se que o compartilhamento de agulhas, seringas e outros equipamentos injetáveis seja responsável por cerca de 23% das novas infecções.

>> Leia o documento na íntegra, em inglês

De acordo com as entidades, disponibilizar seringas descartáveis, por exemplo, é uma maneira pragmática de evitar que um problema já muito complexo - a dependência por drogas - se torne ainda maior. Da mesma forma, a OMS (Organização Mundial da Saúde) também identificou que a redução de danos é uma das cinco principais intervenções necessárias para se atingir o objetivo de erradicar a hepatite viral até 2030.

“Do ponto de vista da saúde pública e dos direitos humanos, melhorar o acesso à prevenção e tratamento para as pessoas que usam drogas é crucial para reduzir a incidência de hepatite C e eliminar a epidemia”, defendem as organizações, que também chamam atenção para o fato de que “mesmo em países que integraram a redução de danos nas políticas domésticas de saúde pública, a criminalização continua a ser um teto de vidro - pois o medo da prisão continua a afastar as pessoas dos serviços de prevenção e cuidados”.

As entidades expressaram seu posicionamento em um manifesto lido durante “World Hepatitis Summit”, que aconteceu entre os dias 1 e 3/11 em São Paulo. A Conectas assinou o documento, junto com outras 21 organizações.
 

0