Busca Avançada

Dar voz aos afetados

Organizações demandam participação de atingidos em debate sobre empresas e direitos humanos na ONU

15/05/2017 fórum da onu sobre empresas e direitos humanos grupo de trabalho de empresas e direitos humanos onu reparação

A seis meses do próximo Fórum da ONU sobre Empresas e Direitos Humanos, marcado para novembro, oito organizações de seis países demandaram que o evento garanta espaço e voz às comunidades afetadas por violações de direitos humanos.

Em carta enviada ao Grupo de Trabalho da ONU sobre Direitos Humanos e Empresas Transnacionais e ao Alto Comissariado para Empresas e Direitos Humanos, as entidades afirmam que há uma enorme distância entre o discurso das companhias em espaços como esse e a realidade das pessoas atingidas.

As organizações propõem que todas as reuniões sobre acesso à reparação sejam abertas com a fala dos afetados. Além disso, as entidades também acreditam que é necessário que o Grupo de Trabalho da ONU reconheça publicamente que há uma desigualdade de poder entre as vítimas de abuso e os atores responsáveis - especificamente, as empresas e governos -, e que esse descompasso é o motivo da falta de reparações efetivas.

Por fim, os signatários da carta demandam que as sessões do Fórum sejam pautadas pela identificação e implementação de compromissos concretos por parte dos responsáveis por violações de direitos.

As organizações reconhecem que as sugestões podem contrariar a orientação dos eventos anteriores, mas justificam: “acreditamos que elas são essenciais para o Fórum deste ano a fim de cumprir a promessa ainda não atendida de garantir melhorias reais no pilar da reparação”.

A carta enviada à ONU foi assinada pela Conectas (Brasil), Global Witness (Reino Unido), Advocates for International Development (Reino Unido), Business and Human Rights Centre (Reino Unido), International Service for Human Rights (Suíça), Somo (Holanda), Federação Internacional para os Direitos Humanos (França), Lumière Synergie pour le Développement (Senegal).

Leia a íntegra da carta aqui.

 
0